A volta do Simple Plan!

Hoje o post é especial sobre uma banda que marcou muito o início da minha adolescência. Cá estou eu, a algumas horas de completar 21 anos, e estou tendo uma sessão nostalgia dos meus 15. Primeiro colegial, escola nova, pessoas novas, pessoas que você sabia que você não ia conseguir se relacionar nunca… aquelas coisas.
Na verdade, eu conheci o Simple Plan em 2004. Eu estava saindo da 8ª série. Ouvi a música “Don’t Wanna Think About You”, que fazia parte da trilha sonora do filme do Scooby-Doo, não lembro exatamente como. Curti a música e fui procurar mais coisa sobre eles. Foi paixão imediata. Na época minha ídola mór era a Avril Lavigne, que me apresentou ao rock internacional (o primeiro álbum dela era de rock, ok?), quando eu era uma pessoa que simplesmente ODIAVA qualquer coisa que não falava minha língua. Quando conheci o Simple Plan, logo descobri que eles eram amigos da Avril, e também vinham do Canadá. Poxa vida, eu pensava, quanta coisa boa saiu do Canadá, né? (mais pra frente mal sabia eu que ia conhecer outra banda muito boa que virou meu vício, Marianas Trench, TAMBÉM do Canadá!). E então eu só ouvia isso. Quando todas as pessoas a minha volta só ouviam sertanejo, pagode e Britney Spears, eu comecei a ouvir rock. E não me venha você dizer que Simple Plan não é rock, ok? Tudo bem, classifique-os como quiser: pop, pop punk, pop rock, emo rock, whatever. Pra mim, eles lançaram uma pá de bandas de estilo parecido que hoje fazem tanto sucesso, principalmente aqui no Brasil.

O Simple Plan é uma banda originada em Montreal, em meados de 1999. Dos 5 membros (Pierre Bouvier – vocal, Sebastien Lefebvre – guitarra, David Desrosiers – baixo, Chuck Comeau – bateria, Jeff Stinco – guitarra), 4 eram amigos de escola, tirando David, que foi “contratado” quando o Simple Plan nasceu. Sendo muito amigos, a sincronia da banda não poderia ser melhor. É com certeza o maior motivo de eles estarem juntos até hoje, 12 anos depois, e lançando um álbum novo depois de 2 anos parados.

Por que eu gosto tanto dessa banda? Vários motivos. O principal é que eles tem um estilo único. Sim, várias bandas nasceram depois deles fazendo o mesmo som, mas NUNCA igual. Depois de 7 anos ouvindo a banda, e ouvindo vááárias outras, eu posso afirmar que só o Simple Plan sabe fazer músicas no estilo deles sem nunca mudar. O último álbum tem algumas músicas mais modernizadas, muito mixadas e tal, mas no fundo, a base ainda é a mesma. Se você ouvir o primeiro álbum deles, o “No Pads, No Helmets…Just Balls”, e algumas b-sides que eram músicas mais antigas deles, você vai ver como eles são uma banda de base bem punk rock. Guitarras e baterias rápidas, letras divertidas, e a voz do Pierre que é inconfundível.
Em “Still Not Getting Any…”, a única mudança foram as baladas que vieram em maior quantidade. E foi aí que a banda ganhou o povo brasileiro. Quem não se lembra de “Welcome To My Life”?
Lembro-me de dois dias exatamente: primeiro, quando estreou o clipe de “Shut Up!” na MTV Brasil. As pessoas começavam a se perguntar quem era essa banda nova e diferente… segundo, quando ouvi “Welcome To My Life” pela primeira vez numa rádio. Uma semana depois, Simple Plan já era febre. Alguns MESES depois…eles são anunciados como atração internacional do Mix Festival em São Paulo. Vou deixar de lado os detalhes aqui porque aconteceu muita coisa nesses dias 18 e 19 de setembro de 2005. A única coisa que interessa dizer aqui é que eles foram meu primeiro show internacional e que eu chorei desde o momento que o nome deles apareceu no telão até a hora de sair do Pacaembú. Pouquíssimo tempo depois, eles voltam para um show solo no Anhembi, e esse foi bem épico. Quase 3 horas tocando minhas músicas preferidas? Não é qualquer banda não… Era tudo que eu sonhava e mais um pouquinho.

Lá em 2005, na primeira vinda deles pra cá, eu tive a grande oportunidade de conhecê-los num pocket show/tarde de autógrafos, um dia depois do show do Mix Festival. Foi um daqueles momentos únicos na vida mesmo, que você vê seus ídolos de pertinho, toca neles, fala o quanto você admira eles, coisa e tal. Momentos impossíveis de esquecer, mesmo quando os anos passam e você arranja novos ídolos. Minha única lembrança desse dia infelizmente é só o autógrafo no encarte do CD que eu consegui. Não podia tirar fotos nem nada. Mas eu lembro de tudo como se fosse ontem!
Bom, pra terminar o post quero expressar aqui minha felicidade imensa quando soube que eles estavam de volta, com músicas novas e clipe novo. E fiquei MAIS FELIZ AINDA quando ouvi a música e percebi que eles nunca vão mudar. Eles sempre serão os moleques de Montreal tocando aquele mesmíssimo estilo de música pra sempre. Brincalhões, divertidos, e com as músicas que grudam na sua cabeça e você não se cansa de ouvir.
Agora, já com 21 anos, me sinto com 15 mais uma vez!

Comente sobre o post

O seu email não será publicado.