Viagem: Porto Alegre e Gramado


Hoje o post será um pouco diferente. Faz tempo que não posto fotos aqui né? Acho que já era hora.
Há exatamente uma semana atrás, eu estava embarcando no aeroporto de Guarulhos diretamente pra Porto Alegre. Até então, eu só tinha voado de avião uma vez na minha vida, e eu tinha 2 anos de idade, ou seja: não tinha memória alguma de como era. Obviamente me deu um ataque de pânico na decolagem indo pra PoA, mesmo segurando a mão da minha mãe, mas logo passou. Quando comecei a ver as nuvens e o Rio Grande do Sul lá de cima, fiquei encantada e esqueci todos os meus medos na hora.
Enfim, chegamos lá e eu já fiquei maravilhada com a cidade imediatamente. Alugamos um carro, porque queríamos conhecer mais lugares. Porto Alegre é uma cidade limpa, as pessoas são incrivelmente educadas (como eu e minha mãe somos bem perdidas no trânsito, direto a gente pedia informação, e todo mundo era SUPER atencioso, mesmo sabendo que a gente era de São Paulo), o sotaque é APAIXONANTE, e outra coisa que me chamou muito atenção, é a “cor” da cidade. Quando eu digo cor da cidade, é a cor do céu, do tempo. Não sei se é porque estamos no Outono ou no Sul é sempre assim mesmo, mas o sol tem uma cor diferente, e o fim da tarde é divino. Quando chega perto das 16hs, a cidade ganha uma coloração que eu nunca vi em lugar nenhum. E o pôr-do-sol, bom, só vendo mesmo pra acreditar.

Uma coisa que TODO MUNDO me falou de PoA, era que eu tinha que presenciar o pôr-do-sol no Guaíba, e logo no primeiro dia da viagem eu consegui tirar foto. Ver pessoalmente é outra coisa, mas na foto dá pra ter uma ideia né? Sem dúvida nenhuma é o pôr-do-sol mais lindo que vi até hoje.

No sábado, saímos cedo de Porto Alegre e pegamos a estrada pra Gramado. Fizemos várias piadinhas com Novo Hamburgo, comparamos aquele pedaço da BR-116 com a Av. Brasil do Rio de Janeiro (a verdade é que nós achamos que Porto Alegre quer ser igual o RJ, mas pra mim PoA é muito mais bonita!), passamos pela serrinha linda que dá em Igrejinha (cidade fofa!), e finalmente chegamos em Gramado. O tempo estava lindo quando chegamos, mas depois foi ficando nublado e a temperatura foi caindo. Rodamos bastante até achar um restaurante que não estivesse lotado ou com preços absurdos (tudo lá é MUITO caro!), almoçamos, andamos um pouco no centrinho, compramos vinho, e logo fomos embora porque meu pai não queria pegar a serra de noite. Deu pra conhecer pouquíssimo, mas já deu pra se apaixonar. Gramado é LINDA. Não vejo a hora de voltar!

Na volta, fizemos outro caminho, e pegamos a tal da Rota Romântica. A estrada INTEIRA é coberta daquelas árvores da folha do Canadá (que na verdade não são iguais as do Canadá, aqui o que tem é plátanos, a do Canadá é bordo, mas whatever, é igualzinha! hahahaha). As árvores com as folhas quase todas caídas, as cidadezinhas estilo alemão…é tudo apaixonante, mesmo com chuva. Passamos por Nova Petrópolis que é bem parecida com Gramado, Picada Café, Morro Reuter, Dois Irmãos, e demos uma paradinha em Novo Hamburgo pra comprar sapato. Nessa hora a chuva já estava muito forte, e foi duro chegar em Porto Alegre. Parecia um dilúvio, meu pai quase bateu o carro, mas chegamos vivos no hotel (graças a Deus).

No domingo, meu pai foi correr na Maratona, e eu e minha mãe saímos de carro pra ver ele passando lá perto do Parque Farroupilha (mais conhecido como Redenção. Se você pergunta na rua onde fica o Parque Farroupilha, ninguém sabe do que você está falando, é engraçado! Hahaha). Depois de muitas voltas no centro da cidade, conseguimos ver ele passando no km 23, e depois voltamos pra Redenção pra conhecer o tal do Brique, a feira artesanal que tem lá todo domingo. Como eu sou muito sortuda, chegamos bem na hora da apresentação do Conjunto Bluegrass Porto-Alegrense. Eu vi eles no Altas Horas a algum tempo, fiquei encantada, e falei que se eu não conseguisse vê-los quando eu fosse pra PoA eu não ia sair de lá feliz. No fim, só conseguimos assistir três músicas e tivemos que ir embora, porque tínhamos que buscar meu pai na chegada da corrida. Mas valeu a pena, comprei até o CD dos caras e dei dinheiro pro café da manhã deles : ) É maravilhoso o que eles fazem. Música boa e de graça, nas ruas de Porto Alegre. Devia existir isso em todo lugar! Quem quiser conhece-los, acessa aí o Facebook deles e veja os vídeos!

Pois bem, depois de buscarmos meu pai lá na chegada da corrida (na frente do Barra Shopping Sul – olha aí outra coisa que PoA quis copiar do RJ! Hahaha), fomos almoçar num restaurante Uruguaio, mas MUITO bom. Nunca comi uma picanha tão boa na minha vida. Não poderíamos ir embora do Sul sem comer churrasco né?
Meu pai resolveu que ia descansar o resto do dia inteiro, então não conseguimos ir pra mais lugar nenhum, não vimos mais o pôr-do-sol, e na segunda a gente já ia embora cedinho : ( Eu e minha mãe fomos comer alguma coisa no Shopping Praia de Belas, que era pertinho do hotel, mas já estava fechando então voltamos rápido.
Na segunda, tinha trânsito no caminho pro aeroporto (e achei engraçadíssimo que os gaúchos falavam que o trânsito estava “trancado”! hahahaha), mas acabamos chegando cedo mesmo assim. No avião de volta pra São Paulo, só vimos branco quase o caminho todo. Foi quando chegamos no litoral do estado que eu comecei a ver o mar e uns navios, e eu me arrepiei toda. Estávamos passando exatamente em cima de Bertioga, perto do Guarujá, e a vista era MARAVILHOSA. Logo depois sobrevoamos Mogi das Cruzes, e quando o avião começou a fazer a manobra pra virar, vimos São Paulo láá de longe, até eu começar a ficar enjoada e não olhar mais pra fora da janela! Hahahahaha.


Desembarcando em Guarulhos, eu já queria voltar pro Sul. O tempo estava quente, abafado, e o cheiro de São Paulo me irritava. Agora é sempre assim quando eu viajo. Quando volto, não vejo a hora de sair daqui de novo. E pra Porto Alegre foi ainda mais irritante, porque eu me apaixonei muito pelo Rio Grande do Sul. Ainda não consigo me decidir entre Curitiba e Porto Alegre, mas, se eu tiver que me mudar daqui um dia, com certeza eu vou pra um desses lugares. Curitiba ainda é a cidade dos meus sonhos pra morar, mas o povo de lá é um pouco arrogante. Definitivamente, Porto Alegre me ganhou por causa dos gaúchos. Um povo alegre, de bem com a vida, e que se orgulham muito em dizer que são gaúchos. Percebi que eles adoram mostrar a cidade, falar das coisas boas que tem ali, e é a mesma coisa nas cidades serranas. Isso faz você se sentir em casa, mesmo sendo tão diferente deles.
Definitivamente, quero voltar muito mais vezes. Aceito companhia e uma cama pra dormir, ok? O resto a gente se vira ; )

PS: Tem mais fotos da viagem no meu Flickr!

Comente sobre o post

O seu email não será publicado.